Você conhece o Iêmen? Ou: algumas palavras sobre uma crise humanitária | Ivan Decker ~ Identidade 85 ::

domingo, julho 19, 2020

Você conhece o Iêmen? Ou: algumas palavras sobre uma crise humanitária | Ivan Decker




“Componente importante” da maior crise migratória desde a Segunda Guerra Mundial, a República do Iêmen visualiza-se sob um cenário de extrema crise humanitária. 

Assim, se faz importante explicarmos alguns fatores que colaboraram para a quebra dos direitos humanos com tamanha agudização. 


País mais pobre da Península Arábica, o Iêmen teve sua formação definitiva apenas em 1990, integrando-se ao então Iêmen do Sul. Apresentando problemas crônicos em sua formação, tais como o tribalismo, a conflitante relação das elites políticas e a desigualdade permeiam as relações do país. Contudo, a conflagração do atual cenário se dá a partir de 2011.




Com a eclosão da Primavera Árabe, a latente manifestação social, nutrida pelas altas taxas de analfabetismo, desnutrição e de desemprego, forçou o então presidente, Ali Abdullah Saleh, a renunciar em favor de seu vice, Abdrabbuh Mansour Hadi. A ascensão de Hadi, um muçulmano sunita, contudo, desagradou a vertente xiita e em especial a facção política Houthis que, assistida pelo Irã, ascendeu ao poder em 2014, ao tomar a capital Sanaã. Em resposta, Hadi, apoiado pela Arábia Saudita, solicitou uma intervenção militar no país, objetivando recuperar seu governo. Desse modo, organizou-se uma coalizão de apoio ao Iêmen, composta por países da África e do Oriente Médio, e liderada pela Arábia Saudita, e a oposição Houthis, assistida pelo Irã.

Com a deflagração da guerra civil no Iêmen, a capacidade de organização do Estado reduziu-se a farelos. Em adição a isso, aponta-se a posição geográfica do país como fator, tendo em vista que ele serve como “porta de entrada” à Península Arábica para os imigrantes vindos da África, aumentando o fluxo de pessoas que sofrem com as mazelas da inanição Estatal e dos abusos de elites que tiram proveito da situação explorando e desrespeitando os direitos básicos humanitários.


Posto esse cenário, podemos deixar mais clara a situação do país e sua população através de alguns dados. Em 2018, cerca de grotescos 75% da população iemenita necessitava de assistência humanitária, e desses, 50% apareciam sob necessidade de ajuda imediata para sobreviver. Ainda, no mesmo ano, aproximadamente 250 mil pessoas chegaram ao Iêmen, provenientes principalmente do Nordeste Africano, e mais 190 mil pessoas deixaram o país. 


Em suma, o majoritário número de pessoas sob carência de auxílio humanitário, mais o elevado número de transitários (leia-se migrantes ou imigrantes), evidenciam uma das maiores crises humanitários do século XXI, colocando em pauta o papel do Estado-Nação enquanto provedor dos direitos humanos básicos. Mas, como se vê, a consolidação do Estado-Nação também é deveras problemática.

Caso queira entender um pouco mais sobre o Oriente Médio, segue uma dica de livro

 Uma história dos povos árabes
Clique aqui!
* compre pelos links indicados e ajude a manter nossos projetos!


Ivan Decker é graduando em Relações Internacionais pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Co-coordena o Conselho Estudantil de Relações Internacionais da Região Sul, membro da Associação Atlética Acadêmica de Relações Internacionais e do Diretório Acadêmico do Universidade Federal de Santa Catarina Model United Nations (UFSCmun). Pesquisador voluntário do Observatório com enfoque na ditadura militar na Argentina.

Assista ao nosso vídeo sobre Direitos Humanos!
Se estiver recebendo no e-mail e não conseguir ver o vídeo, clique aqui.

Fontes dessa postagem:

Dos textos


CERIOLI, Luíza Gimenez. Roles and International Behaviour: saudi⠳iranian rivalry in bahrain’s and yemen’s arab spring. : Saudi–Iranian Rivalry in Bahrain’s and Yemen’s Arab Spring. Contexto Internacional, Rio de Janeiro, v. 40, n. 2, p. 295-316, agosto 2018. FapUNIFESP (SciELO). 

ONU. Migrantes no Iêmen vivem situação ‘terrível e desumana’, diz agência da ONU. 2018. Disponível em: https://nacoesunidas.org/migrantes-no-iemen-vivem-situacao-terrivel-e-desumana-diz-agencia-da-onu/. Acesso em: 27 abr. 2020.


Das imagensONURevista ExameMédicos Sem Fronteiras.


Compartilhe essa postagem!

3 comentários:

  1. Creio que a cultura oriental é pouco estudada por nossa cultura ocidental. O artigo é ótimo! Nos faz abrir a mente para situações no qual não estamos acostumados a lidar, e que precisam ser vistas e pautadas em todos os lugares no mundo. Crise humanitária é um assunto mais que sério.

    ResponderExcluir
  2. Com certeza. Essa abordagem está muito ligada, na minha opinião, ao imperialismo ocidental do século XX e, consequente, à estigmatização ainda empregada sobre o Oriente.

    ResponderExcluir
  3. O Imperialismo que não acabou, apenas foi se transformando, assumindo novas formas.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Digite e tecle Enter para buscar!