Crises Humanitárias: Síria | Ivan Decker ~ Identidade 85 ::

sexta-feira, agosto 21, 2020

Crises Humanitárias: Síria | Ivan Decker




Dando continuidade ao estudo de casos de crises humanitárias na contemporaneidade, dessa vez falamos sobre a Síria. 

A Síria, país localizado no Oriente Médio, é apontada pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) como uma das emergências humanitárias mundiais. Mas para entendermos um pouco melhor o que acontece lá, precisamos voltar até 2011. 

Tendo seu início em 2011, a Guerra Civil Síria acontece como um desdobramento da onda revolucionária de protestos presente em países do Oriente Médio e norte da África, chamada Primavera Árabe, e que, na Síria, buscava uma série de reformas sociais, como a instituição do pluripartidarismo, a geração de mais empregos, melhores condições de vida, etc.

Comandada pela família al-Assad desde 1970, e pelo atual presidente Bashar al-Assad desde 2000, a violenta repressão do autoritário comandante sírio aos protestos originou uma nova e maior onda que espalhou-se por todo o país, adentrando até mesmo a maior cidade da Síria, Aleppo. A formação de milícias armadas oriundas da integração de grupos que atuavam nos protestos a militares desertores, a fim de revidar a violência por parte do governo e expulsar o exército sírio de suas cidades, contudo, desencadeou uma resposta ainda mais opressiva e violenta por parte de Bashar al-Assad, delimitando, assim, os contornos para  a formação da Guerra Civil Síria. 

Tendo como base a diversidade étnica-religiosa síria, composta por sunitas, curdos, cristãos, ismaelitas e drusos, além da minoria alauíta, uma ramificação xiita e etnia do ditador Bashar al-Assad, a não legitimação do governo por parte das diferentes composições étnico-religiosas acarretou em um cenário de instabilidade político-religiosa, agravando-se com o adentramento do território sírio por parte de grupos extremistas como o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIS, na sigla em inglês), em 2013, que atuam conjuntamente a ramificação da Al-Qaeda, a Frente Fateh al-Sham (antiga Frente Al-Nusra), de orientação sunita. 

A violência imposta pelo Estado Islâmico ao povo sírio, inclusive com o estabelecimento de um califado na região, mobilizou um movimento de autodefesa dos curdos sírios, instituindo, desta maneira, a Unidade de Proteção Popular do Curdistão Sírio, a YPG, na sigla em curdo, que também garante a proteção dos curdos sírios de ataques de tropas da Turquia.



A conjuntura fragmentada em diversas frentes políticas-religiosas-militares despertou também o interesse de potências estrangeiras, destacando o apoio estadunidense às frentes de oposição ao governo, financiando grupos como o Exército Livre da Síria (ELS) e a YPG, e a coligação entre Rússia e Irã, que defendem a manutenção do governo de Bashar al-Assad. Entretanto, cabe pontuar os interesses econômicos por trás disso, tendo em vista que a Síria é um país rico em petróleo e gás natural. 

Os resultados desta Guerra Civil são catastróficos. De acordo com o ACNUR, mais de 11 milhões de pessoas deixaram suas casas para trás, e 6 milhões delas cruzaram fronteiras para escapar das bombas e balas que devastaram suas casas. Além disso, aponta-se que grande parte dos países-alvo dos refugiados sírios não apresentam campos de refugiados formais, deixando-os desamparados - 70% dos refugiados sírios no Líbano vivem abaixo da linha da pobreza. Em suma, mais uma vez civis sofrem por quererem direitos humanitários básicos.

Caso queira entender um pouco mais sobre o Oriente Médio, segue uma dica de livro

 Uma história dos povos árabes
Clique aqui!
* compre pelos links indicados e ajude a manter nossos projetos!


Ivan Decker é graduando em Relações Internacionais pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Co-coordena o Conselho Estudantil de Relações Internacionais da Região Sul, membro da Associação Atlética Acadêmica de Relações Internacionais e do Diretório Acadêmico do Universidade Federal de Santa Catarina Model United Nations (UFSCmun). Pesquisador voluntário do Observatório com enfoque na ditadura militar na Argentina.

Assista ao nosso vídeo sobre Xenofobia!
Se estiver recebendo no e-mail e não conseguir ver o vídeo, clique aqui.

Fontes dessa postagem:

Dos textos


Referências:


ACNUR. Síria. Disponível em: https://www.acnur.org/emergencia-en-siria.html. Acesso em: 16 abr. 2020.
SANT'ANA, Pablo Martins Santos. Consequências da Primavera Árabe na Síria: uma nova diáspora em questão?. in Revista de Geopolítica, v.9, n. 1, Natal-RN, 2018. Disponível em: http://revistageopolitica.com.br/index.php/revistageopolitica/article/view/197/193. Acesso em: 16 abr. 2020.
ANDRADE, George Bronzeado de. A Guerra Civil Síria e a condição dos refugiados: um antigo problema, “reinventado” pela crueldade de um conflito marcado pela inação da comunidade internacional. in Revista de Estudos Internacionais, v.2, n. 2, João Pessoa-PB, 2011. Disponível em: http://www.revistadeestudosinternacionais.com/uepb/index.php/rei/article/view/69/pdf. Acesso em: 16 abr. 2020.


Das imagens: Rádio Web - UFPA; IstoÉ.


Compartilhe essa postagem!

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Digite e tecle Enter para buscar!